Existem 3 fases da ignorância: Não saber que não sabe. Saber que não sabe. Não saber que sabe. Qual a sua?

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Dezesseis

Fim de tarde, o sol no ponto mais agradável, o vento também, ventinho. Em torno de dezessete e dezoito da tarde, dezenove anos e só vinte amigos.

Era vinte e um de maio, tinha vinte e dois reais, queria mais, vinte e três seria pouco, vinte e quatro tanto faz, acabei pedindo vinte e cinco - aos meus pais!

É que umas vinte e seis cervejas eu queria tomar, o dia perfeito, tocaram vinte e sete músicas dos Beatles! Conheci um cara de vinte e oito, parecia ter isso mesmo, uns vinte e nove ou trinta.

Terminando aquele maio, dia trinta e um, foi quando tomei as todas cervejas que queria, acabei tomando trinta e duas, não conseguia nem falar "trinta e três"!

O mais legal foi fumar só trinta e quatro cigarros no mês! Acho que com uns trinta e cinco eu paro... Ou trinta e seis? Claro que se eu não for morta com trinta e sete tiros de uma trinta e oito por um serial killer daqueles com uns trinta e nove anos.

Mas aquela tarde foi legal, repetiria umas quarenta vezes. O bonitão vai ficar quarenta e um dias fora, fará quarenta e duas entrevistas passando por quarenta e três cidades.

Acho que daqui uns quarenta e quatro dias vejo-o de novo, e mesmo que eu beije mais quarenta e cinco caras só vou lembrar dele, querer ele, mesmo já com quarenta e seis anos, envelhecendo, com quarenta e sete, quarenta e oito, quarenta e nove...

4 comentários:

Adrian L. disse...

50. Lá vou eu!

Anônimo disse...

hahahaha..
e os dezesseis que ficaram pra trás? beijo!

keko disse...

ehuehuehuehueheu muito bom meo!!! =D

Fergath disse...

Adoro esses números... Gostei, gostei!