Existem 3 fases da ignorância: Não saber que não sabe. Saber que não sabe. Não saber que sabe. Qual a sua?

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Se saísse...

Família (substantivo feminino):Grupo de pessoas ligadas por laços de casamento ou parentesco; Pai, mãe e filhos; Linhagem estirpe; Prole; Grupo de animais ou plantas com caracteres comuns; Raça, origem, trono; Descendência, sucessão.

À vós, minha família, deixo esta carta, que um pouco me corta e outro pouco me alegra. Aqui, sua filha, e irmã, que fala, e muito, dosando como droga as palavras, entorpecendo estas cabeças suas que negam-se ao vício. À vós, minha família, despedirei-me da presença, que nada faz, ou fez.

Dos traumas meus, erros meus, excessos meus, culpei-lhes, cobrei-lhes, mas amar... Amarei sem passado. E conversas mil, papos sem êxito, instigando fracassada alguma mudança dentro de tudo que vi, que acho, que pertences a mim, e mais ninguém, mesmo que família.

Sedes, vontades, planos e metas comuns, conjuntas e unidas só por eu e eu. Minhas várias faces lutando para compartilharem rostos e cerebelos seus. É hora da moderna dada de tempo. Hora do fruto sair, pra ver se o solo é bom e em se plantando tudo nessa terra dá.

Podia ser eu a mais desconcentrada, desatenta, pra não dizer acomodada, mas não, pensadora sois. E acreditando ser o menos inconsequente possível, seguirei ainda que momentaneamente acreditando que passo errado é o não dado.

À minha mãe, que eternamente me ouvirá, seja pra aprender, seja pra ensinar, deixo meu abraço mais demorado, o beijo mais molhado e peço de antemão o melhor conselho dado, agradeço pura e plenamente, respirando bem fundo, por toda minha vida.

Ao meu pai, a quem sempre me igualarei, apesar de puxões de orelha vitais, peço que banhe-te da água mais fria, a da alma, pra que acordes e possas responder a tudo e todos que és, sim, O cara. Peço dinheiro também.

Ao meu irmão, vendedor de idéias, e o mais inteligente irmão, que pratica a sensatez, e que me ensinou como ser uma elegante mulher, esbajando muito charme, mas não mais do que de mãos dadas andadas contigo pra me orgulhar, registro minha admiração e apreço, já que me atiças a vontade de pensar e sentir do mais certo jeito, o mais belo, e melhor.

Não posso endividar-me pela saudade que vem no amanhã, pois o amanhã não acontece. Respondo pelo amor fraterno que veio, está e ficará, na longevidade mais longa de calcular.

Espero retornar, pra aconchego aproveitar e com vós, família, recomeçar.

Suzana Schulhan Lopes

Um comentário:

Gabicia disse...

Família, alguns sentem falta. outros querem ver longe. hehe eu preferia estar longe. É.
Adorei o texto! sempre né? hehe